Páginas

27 março, 2017

Minha Vida Até o Ensino Médio

Uma das 6 escolas particulares por onde passei antes de terminar o ensino fundamental.

I - Introdução


Entender sua própria trajetória, por mais tortuosa que ela seja, é fundamental para entender um pouco mais de si mesmo.

Visando complementar vários posts que tratam de minha insignificante existência, segue a cronologia abaixo.

II - Os primeiros 18 anos



>>Infância: De 0 aos 12 Incompletos

Minha infância, apesar de não se perfeita, é foi dotada de uma ignorância sobre as vicissitudes desse mundo. Isso me permitiu um sensação predominante de felicidade. 


Sempre fui pobre, mas nunca passei por privações. Apenas deixei de ter certos confortos e experiências positivas.

Não entender nada era uma benção.



>>Adolescência: Dos 12 aos 15 anos 

Meu boletim da 8ª série


Hobbies e Vida Social


  • Minha maior ambição era colecionar quadrinhos, pois mulheres, viagens e outros prazeres eram extremamente inacessíveis a um adolescente gordo, feio e pobre. 
>>Nessa época, lembro-me de uma vez cantar uma jovem mulher na rua e ela caçoar de mim dizendo que eu fedia a leite. A vida de um beta não começa com facilidades. Eu devia ter uns 14 anos e percebi que teria que fracassar muitas vezes para obter sucesso amoroso.
  • Jogar vídeo-game também o ponto alto do meu dia. Sim, sempre fui nerd. Era a década de 90 e o auge da primeira versão do playstation.
  • Assistir tela quente ou sessão da tarde na Globo eram o ponto alto de minha rotina pré-internet. Alugar fitas cassetes também parecia uma maravilha nessa época.
  • Minha vida social se resumia a conversar com outros nerds e elaborar planos infalíveis para conquistar garotas. Meus colegas tiveram muito mais sucesso nisso que eu.  

Atividade Física
  • Cheguei a tentar convencer minha mãe a me matricular em uma academia ou fazer artes marciais, mas como ela achava tudo isso muito violento o jeito era continuar gordo, com maminhas e sem academia. 
  • Minha única atividade física era caminhar cerca de 30 minutos até a escola, onde chegava fedendo e suado. 

Estudos
  • Até então só tinha estudado em escolas particulares, o que com certeza ajudou meu desenvolvimento mental e me afastou de problemas.
  • Reprovações: Fiquei reprovado em matemática e outras matérias exatas por mais de uma vez no primeiro grau (graças a Deus a escola tinha sistema de dependência escolar).
  • Minha meta já era estudar para concursos no futuro e as matérias que mais focava nessa época era Português e História (sempre fugi de matemática).
  • Minha maior ambição na escola era bater papo com os colegas e rir de qualquer idiotice.


>>Adolescência: Dos 16 aos 18


Fui morar com meu pai e as dificuldades por que passei me fizeram me desenvolver como indivíduo.

 III - Vida no Ensino Médio



Minha escola: tempos difíceis.



No final da década de 90 minha mãe me enviou para morar com meu pai. Foi a primeira e a última vez que um evento desse ocorreu. Anos depois voltei a morar com ela e assim continuou até alguns anos depois de terminar a faculdade.


Minha vida no ensino médio não foi nada fácil. Eu era muito mais: feio, pobre, gordo, burro, indisciplinado, desleixado, preguiçoso e sem grandes objetivos na vida: tudo de ruim para qualquer um ser na difícil fase da adolescência. 

Ingresso


Foi a primeira aprovação que tive em algo semelhante a um concurso público (aprovação para cursar o ensino médio técnico em administração em uma fundação pública estadual no Escola Técnica Estadual Oscar Tenório - ETEOT em 1999).


Fiquei em uma colocação medíocre, mas fui chamado. Não era um exame muito disputado por candidatos preparados e apesar de eu mesmo não ser bom aluno, acabei passando por que vinha de colégio particular a vida toda e a prova foi muito elementar.


Eu era muito tosco nessa época em metodologia de estudo, sendo que o único cuidado que tive foi pegar umas provas anteriores que eram vendidas informalmente em um compilado feito por algum servidor da instituição.

Aspectos Positivos


  • O ensino médio era técnico em administração e por isso tive contato com muitos conceitos (estatística, matemática financeira, administração, marketing, Direito, Contabilidade etc) fora do meu mundinho de vida, que era um bairro pequeno do subúrbio.
  • Conheci muita gente diferente e que vinha de diferentes bairros e classes sociais do RJ.
  • Comecei pela primeira vez na vida a praticar esporte (taekwondo) e consegui emagrecer bastante.
  • Como não pagava passagem de ônibus pude viajar gratuitamente, com e sem rumo, pelo RJ.
  • Arranjei minha primeira namorada. 
  • Fiz cursos de informática, inclusive de montagem e manutenção de micros, que me ajudaram por toda a vida;
  • Pude morar com meu pai pela primeira e única vez na vida, o que me permitiu conhecê-lo melhor, para bem e para mal.
  • Eu não tinha que trabalhar (pelo menos não fora de casa).


Aspectos Negativos


  • Ensino fraco: para mim que já era desinteressado gerou um vácuo de conhecimento e dificultou o planejamento de passar em qualquer vestibular para uma faculdade pública, mesmo assim fiquei reprovado em razão do meu desleixo com estudos;
  • O namoro não deu certo e acabou cerca de 3 meses depois, deixando-me deprimido por muito mais tempo (minha vida amorosa só voltou a melhorar na faculdade).
  • Morar com meu pai foi um saco. Além disso, ele, como era pobre, utilizou minha força de trabalho como servente na reforma de seu própria casa.
  • Minha madrasta era bem chata. Era uma família totalmente beta, sem muitos conhecimentos básicos de educação financeira, nutrição ou de qualquer outro tipo.
  • Não fiz muitas amizades profundas e duradouras.
  • Era muito, muito difícil para mim conseguir sair com alguma menina. Claro que o pouco dinheiro atrapalhava, mas o principal era minha falta de lábia e timidez: minha incapacidade de me comunicar adequadamente para conquistar atenção amorosa do sexo oposto.



IV - Conclusão


Foi uma época difícil e fico feliz que tenha passado. Claro, Continuo feio, mas menos burro e gordo. 

Voltei a morar com minha mãe e consegui terminar uma faculdade particular. Consegui diferentes empregos e pude  sair de casa e pagar minhas próprias contas e obter autonomia financeira. 

Atualmente, tenho mais facilidade em me comunicar com o sexo oposto, mas hoje, na casa dos 30 e com um relacionamento estável, o interesse é bem menor. 

Sobre a experiência sofrida; um pouco de sofrimento faz bem, pois "a necessidade faz o sapo pular". Acho que errei tanto em tantas coisas e por tanto tempo que aprendi a fazer algumas coisas da maneira correta.


Somos o maior especialista do mundo em nós mesmos e conhecer a si mesmo é o princípio básico do auto-desenvolvimento

Enfim, essa época  foi importante para mim em vários aspectos.


Grande abraço!



____________________________________________________________

  • http://www.mv1.com.br/
  • http://acervoscantales.blogspot.com.br/2018/03/os-anos-90-para-nerds-pobres-bancas-e.html
  • https://acervoscantales.blogspot.com.br/2016/06/textos-como-era-sua-vida-no-ensino-medio.html
  • https://acervoscantales.blogspot.com.br/2018/01/como-se-tornar-um-biografo-de-si-mesmo.html